Favor imerecido



Uma comunidade terapêutica começa com a Graça de Deus e escoa na comunidade dos santos a partir do exercício da misericórdia e do perdão. 



Digo que o capítulo 15 de Lucas é o capítulo dos achados e perdidos. Nele encontramos a  parábola da ovelha perdida, da dracma perdida e do filho perdido. No entanto, a mensagem nas três parábolas parece ter um ponto comum. Todas estas parábolas se resume na alegria e na festa que há no céu por uma pessoa que volta ao seu lugar de origem. 

Estas parábolas são respostas de Cristo à Escribas e Fariseus sobre o porque ele (Cristo) se relaciona (partilha à mesa) com publicanos e pecadores.
Tomando por base a parábola do Filho Pródigo, num primeiro momento a respostas de Cristo parece nos levar a pensar sobre Graça de Deus derramada aos perdidos e arrependidos. Deus é soberano e ele estende sua graça e misericórdia de acordo com sua vontade.

Eu até consigo entender a volta de um filho que fez tudo errado, mas não compreendo o porque das honras e das festas. Na real, o meu desejo é que este filho fosse punido pelo que fizera. Não consigo festejar e nem me alegrar com esta Graça de Deus. Não vejo graça alguma neste tipo de Graça. Talvez eu tenha confundido Graça de Deus, com favores para Deus. Também, no mundo capitalista que vivo, não consigo entender algo que venha totalmente de graça. Talvez esta seja uma das maiores angústia de muitos filhos.

Pensando assim, é certo dizer que ainda não "caiu a fixa" de que não há nada que possamos fazer para comprar esta Graça. A Graça de Deus não é algo para ser adquirida, compreendida ou medida. Também não faz sentido se não for vivida e compartilhada por meio da fé em Cristo Jesus.


Num segundo momento, Cristo parece mostrar aos Fariseus e Escribas que, uma vez agraciado por Deus, devemos levar uma vida de perdão e misericórdia. Cria-se então entre nós um ambiente terapêutico a partir do exercício do perdão e da misericórdia na comunidade dos santos. Sem tal exercício, não é possível haver comunhão e nem relacionamento com o próximo. Somos perdoados e acolhidos em Cristo, porém, às vezes acontece de não nos encontramos da mesma forma na comunidade. Lucas 6:32,33,36 nos ensina sobre este exercício dizendo:

"E se amardes aos que vos amam, que recompensa tereis? Também os pecadores amam aos que os amam. E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que recompensa tereis? Também os pecadores fazem o mesmo. Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso".

Cristo se relacionava com publicanos e pecadores porque ele era a reconsiliação e a  manifestação da Graça do Pai a todos aqueles que crêem e o recebem. Mesmo depois destas respostas, Fariseus e Escribas continuaram não entendendo o porque de tudo isto. Tanto é verdade que se entendessem, teriam se juntado à mesa com Cristo e os demais publicanos e pecadores para compartilhar da refeição como gesto de Graça, misericórdia e perdão.

Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo. Efésios 4:32
Harry Érick

Postagens mais visitadas deste blog

Uma Luz na escuridão

"O SENHOR pelejará por vós"

Pessoas de Pessoas